segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Portfólio: Loira do Campo


Loira do Campo foi um quadrinho encomendado lá pelo meio do ano (ou antes, realmente não recordo), o cliente tinha em mente uma série de quadrinhos que abordaria lendas urbanas da cidade onde mora.


Era um projeto interessante e com muitas possibilidades, mas acabou sendo cancelado devido a problemas pessoais do cliente.

Fiquei um tanto triste com isso, estava bem empolgado com a ideia de ter (enfim) um trabalho impresso e também queria ver o que achariam da história, embora ela não fosse minha.

Se você quiser ver o restante das páginas (e em alta resolução), basta clicar aqui.

Inté o próximo post.

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Banidos

"Um cidadão comum entenderá como sua própria raça pode ser cruel, através de um Ciclope, que contará uma lenda urbana sobre vingança e punição."




Este é a sinopse de Banidos, quadrinho que fiz em conjunto com o Andy Corsant. Ele faz parte do universo de Hana-O, que é de autoria do próprio Andy.


Foi muito divertido de trabalhar com Banidos, espero que a nossa parceria renda mais frutos.

Para ler é só clicar aqui.

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Brincando com xadrez

No post passado eu comentei que meu reservatório de nanquim estava no fim, ou seja, estou perto de ficar como em Paralelos #06.

Viu?

Assim sendo, meu lado gambiarra de ser entrou em ação e eu logo tratei de buscar uma tinta que substituísse o nanquim, quer dizer, não definitivamente, mas assim... Sou um sujeito que usa muito nanquim e, vez ou outra, costumo ficar brincando com ele, pego um papel, pincel e desando a fazer traçados aleatórios, desenho coisas aleatórias e assim por diante e logo eu não posso fazer isso com o pouco nanquim que me resta, prefiro deixar ele para o BDC.38 e Paralelos

Mas depois de tentar aquele guache escolar, tinta de tecido e mesmo uma tinta esquisita que eu achei no meio de um monte de velharias aqui do quintal, eis que vou até o quarto do meu irmão e me deparo com aquela famosa tinta xadrez.

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Bastidores de BDC.38 #02

E cá estou, depois de algum tempo.

Apesar de estar bem atrasado com tudo (já expliquei isso em outro post), já estamos dando seguimento em BDC. 38. O storyboard está prontinho e só esperando o momento de virar, de fato, páginas lindas e banhadas em nanquim.

Quer dizer... Não o storyboard em si.

Storyboard de retalhos. São as alterações feitas no decorrer do processo. (cortesia do Mike).
Acho que agora os únicos empecilhos em nosso caminho são as poucas folhas que ainda tenho em estoque e o reservatório de nanquim quase no fim. Melhor eu ir coçando os bolsos desde já.

Inté o próximo post.


segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Fila e atraso necessário


Próximo domingo é dia de decidir aquele que vai ser o presidente deste nosso país tão amado e que se mostrou abrigar um monte de monstros que decidiram mostrar as asinhas de morcego. Confesso que votarei com um desânimo do tamanho do desgosto que adquirir por quem usa uma camisa verde e amarela com a face daquele sujeito. Sim, Bolsonaro.

Mas não quero falar sobre isso, até porque quem me acompanha em outras redes sociais sabe o que penso sobre o sujeito e seus adoradores-fanáticos-extremistas.

Extremistas me dão raiva


Certo. Vamos lá.

No primeiro turno dessa fatídica eleição eu tive de enfrentar a minha fobia social (não é nenhuma forma figurativa, eu realmente sofro de fobia social) e fui votar. É um negócio absurdo, eu até fui mais cedo para não ter que encontrar muita gente no portão ou ter de ficar conversando com algum desconhecido para disfarçar o nervosismo. Mas não adiantou muita coisa.

Quando cheguei naquele ambiente escolar, tão familiar e ao mesmo tempo tão estranho e que não me despertou nenhuma forma de afeto ou saudade dos tempos de ensino médio, já havia uma fila na minha sessão. Sentei e fiquei lá lutando contra os demônios na minha cabeça, lutando para não fugir dali e evitando qualquer tipo de contato visual. Percebe o meu sofrimento? Eu já estava suando litros e apesar de ouvir o pessoal reclamando do calor, para mim estava um frio absoluto. Tensão.

Mas eu tinha de dar um jeito nisso, como eu ia aguentar ficar sabe-se lá quantas horas naquela fila estando a ponto de ter um treco? Ah! Só havia uma solução.

Quadrinhos.

Comecei a imaginar as pessoas ao meu redor de forma caricata e automaticamente foram surgindo algumas páginas desenhadas na minha cabeça. Foi um processo que me deixou desligado daquela fila por alguns momentos, mas foi o suficiente para me fazer sentir o calor infernal que estava fazendo. “Vou fazer um quadrinho disso. Mas faz um tempão que não desenho, né? É. Vou fazer. Eu poderia até fazer um fanzine, já que eu quero muito fazer um fanzine. Mas vamos ver. Quando eu começo? Hoje? Não, hoje não. Amanhã? É, amanhã.”



Bom, quanto ao fanzine eu já não tenho certeza, mas o quadrinho está pronto e depois de umas edições no photoshop eu postarei no instagram e, quem sabe, por aqui. Desenhei ele na porrada e sem fazer estudos prévios de pose de personagem, expressões e ângulos, pois eu queria que ficasse o mais perto possível da minha agonia desse dia.

Outra coisa que gostaria de falar aqui: atrasos.

Recentemente eu fiquei doente, foi tão “pesado” o negócio que eu fui afastado da padaria para me cuidar. Assim, tenho uns exames para fazer e exercícios para serem executados (Zeus do céu, exercícios são horríveis. Sedentarismo, por que não és saudável como algumas coisas?). Por isso que venho aqui dizer que vou ter de “maneirar” um pouco na produção e me focar apenas em um projeto, na verdade eu pretendia fazer isso no próximo ano, mas com a saúde não se brinca, certo?

O projeto é o BDC.38.

Claro que o Paralelos não vai ser abandonado, não, não, mas a periodicidade não será mais mensal, entende? Vai ser aberta. Quando der tem, quando não der, bom, você pode reler os quadrinhos já publicados.

Bom, acho que se a minha vida fosse uma série, ela já estaria quase no fim da temporada e esse é aquele momento em que o personagem principal está na merda e o horizonte parece sombrio. Talvez ela termine de uma forma que não pareça boa, de uma forma em que o espectador só possa esperar desgraça na próxima temporada, mas… Sempre há aquela esperança de que a próxima temporada seja melhor. E que o personagem dê a volta por cima.

Inté.


terça-feira, 9 de outubro de 2018

Entrincheirado

Não é surpresa o quanto essas eleições estão ferrando com algumas pessoas. Medo, angústia, ansiedade, desespero, incertezas e o que mais de ruim você quiser acrescentar.

Dias difíceis.

Acho que fiquei umas duas semanas sem desenhar decentemente. É, também estou nessa leva de pessoas ferradas. Tem horas em que quero sair no braço com eleitores daquele candidato, mas isso me deixaria no mesmo nível deles e não resolveria nada, muito pelo contrário. Por isso eu vou lutar como sempre venho lutando. Entrincheirado atrás da minha prancheta e resistindo.

Também fico feliz por ver outros quadrinistas se manifestando, planejando, tirando forças das últimas esperanças que ainda restam dentro de si. Nós lutaremos a nossa maneira.

Mesmo estando triste e decepcionado, voltei a desenhar.  

Estou trabalhando em um quadrinho sobre a fila em que eu estive quando votei.



Infelizmente eu vou acabar atrasando o Paralelos desse mês e o Balada também. Desculpe por isso. E desculpe pela tom triste do texto. 

E em outro post falo mais sobre o quadrinho novo.

No mais, inté o próximo post e que tudo fique bem.

sábado, 29 de setembro de 2018

Fanart - Coringa do Joaquin Phoenix

Olá, como é que vai? Espero que bem.

Fiquei bastante animado com o Joaquin Phoenix como Coringa, tanto que fiz esta fanart.


Estou esperançoso com esse, espero que seja melhor que o do Jared (credo) Leto.

Se você quiser ver com uma qualidade melhor é só clicar aqui.

Inté o próximo post! ^^

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Bastidores de BDC.38 #01

E cá estamos!

Decidi por começar a falar sobre os bastidores de produção de A Balada do Calibre .38, pois há muita coisa interessante que acontece por trás da produção dessas páginas.

Tá, tá... Nem tem tanta, mas me deixa pensar que é interessante, tá?

Então... Isso aqui será mais informal que os demais, ok? 

Essas últimas semanas foram complicadas, sabe? Eu venho sofrendo de insônia, cheguei a ficar seis dias sem dormir direito (e ainda tendo de trabalhar na frente de um forno), mas eu consegui "ajeitar" isso. Quer dizer, ainda não consigo dormir de noite, fico a maior parte do tempo acordado, mas sempre que chego do trabalho eu trato de (tentar) dormir.

No inicio eu dormir só três horas, mas dai foi pra quatro, depois seis e agora estou conseguindo dormir as oito horas tranquilamente! O bom disso é que agora eu já não me sinto tão cansado quanto antes. 
Continue tentando me derrubar, He-M-- Digo, vida!

Mas chega de falar disso, vamos falar do quadrinho!



Terminei as thumbnails da parte 3 e ainda essa semana quero terminar o storyboard.

Foi um processo bem divertido para chegar até ai e, se bobear, será um bem divertido para chegar até as páginas finais.

Nesta parte o Félix não da as caras. Mas também, né? O cara já apareceu demais. Espero que ele não leia este blog.

Confesso pra você que estou muito animado para desenhar estas páginas, aliás, estou animado para tudo o que tenho de fazer, não sei dizer se é pelo fato "deu" só "funcionar" com por cento na madrugada, se é a questão das mazelas a serem superadas (se minha vida fosse uma série de tv, essa temporada seria aquela em que tudo anda dando errado e que você pensa "Vixi, já deu pra esse personagem, dessa ele não sai de jeito nenhum", mas estou otimista com as coisas, o que não é normal.)

Claro que tudo isso tem seu preço. E o meu é a minha mesa bagunçada.




Mas ela nunca conseguiu passar mais do que uma semana arrumada mesmo...

Então é isso, pessoa que está lendo este post. Obrigado por chegar até o fim e espero que já tenha lido A Balada do Calibre .38, caso contrário, só clicar aqui.

Abraço e inté o próximo bastidores.

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Desabafo


Esse texto não trata sobre outros quadrinistas, não fala sobre como é a vida de um quadrinista e nem quer dar uma lição de moral ou qualquer coisa do tipo.

Esse texto é apenas uma necessidade minha de falar sobre o que estou falando nele.

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Pedestal - Paralelos #02

E cá estou com mais um capítulo desse novo volume de Paralelos!

Pedestal

Pedestal é um quadrinho que fala sobre como é louco como uma pessoa entra e depois sai de nossa vida, para ler é só clicar aqui.

Espero que goste, deixe seu comentário e dê aquela força pra este que vos fala, basta compartilhar este quadrinho em suas redes sociais, capisce?

No mais, acho que vou tirar o resto do dia de folga e aproveitar, pois trabalhei pra caramba neste quadrinho.

Inté.